Fósseis capturados em operação policial desmistificam répteis voadores pré-históricos

Fósseis capturados em operação policial desmistificam répteis voadores pré-históricos

Outra reconstrução explicativa do pterossauro mostra sua grande envergadura – forte evidência de que a criatura quase certamente voou. (Victor Beccari do The New York Times)

Lajes de calcário encontradas em uma operação policial de 2013 no Brasil revelaram os fósseis mais completos de um tipo de pterossauro já encontrado, fornecendo novos detalhes sobre como os répteis voadores se pareciam e se comportavam há 110 milhões de anos.

A descoberta também chama a atenção para a questão da colonização científica – a remoção (e às vezes o roubo total) de itens de valor científico de seus países de origem por negociantes de fósseis ou nações mais desenvolvidas. De acordo com os autores de um novo relatório sobre o fóssil, o Brasil e outros países cujos fósseis foram historicamente contrabandeados ou realocados para outros países agora têm a infraestrutura para lidar com eles e estudá-los com responsabilidade – e devem render benefícios como descobertas científicas e turismo. com um rico estoque nacional de fósseis.

A operação, ocorrida em um porto próximo a São Paulo, levou ao confisco de cerca de 3 mil fósseis, entre muitos peixes e insetos, segundo Victor Beccari, aluno de graduação e principal autor do estudo, publicado esta semana no jornal PLOS ONE. A peça central era um esqueleto quase completo de um pterossauro, Tupandactylus navigans, preservado em seis placas de calcário.

Assine o boletim informativo matinal do The New York Times

A trepadeira excêntrica deve ser incrível de se ver. Com uma crista gigante em estilo moicano, um bico semelhante ao de um pássaro e um corpo coberto por algo parecido com pelo, mas não exatamente, é possível que os pterossauros se destacassem mesmo entre outras criaturas estranhas no início do período Cretáceo. Sua extensa envergadura indica que quase certamente voou, mas talvez apenas distâncias curtas devido ao seu pescoço longo e pelo grande. Os pesquisadores dizem que ele provavelmente passou muito tempo procurando comida na Terra.

READ  Por que alguns cientistas pensam que a vida pode ter começado em Marte

Os pesquisadores suspeitam que o logotipo foi uma bênção e uma maldição. Indivíduos com um cocar maior do que a média podem ser mais propensos a atrair um parceiro. trocar? Maior exposição a predadores. (Talvez você morra jovem e deixe um belo cadáver.)

Fósseis de pterossauros são raros. Os pesquisadores dizem que seus ossos são muito frágeis, ainda mais do que pássaros.

O lago de salinidade flutuante, criado na separação da África e do Brasil, era ideal para a preservação de fósseis. Os pesquisadores têm acesso a muitos peixes preservados com seus órgãos internos daquela área. Beccari suspeita que seus espécimes de pterossauros podem ter morrido no lago ou rio que arrastou o corpo para o lago.

“Achamos que não há oxigênio no fundo do lago, então nem os animais nem as bactérias podem decompor o animal”, disse Beccari. “Se você conseguir chegar a essa parte do lago, estará a salvo da decomposição.”

As autoridades brasileiras tiveram que resolver questões legais sobre exatamente para onde o fóssil deveria ser enviado. É encontrada no nordeste do Brasil, mas foi capturada em São Paulo, no sudeste do país. Acabou sendo entregue à Universidade de São Paulo e, em 2016, Bakari, então graduando, e uma equipe de pesquisadores começaram a estudá-la.

David Hoon, um paleontólogo da Queen Mary University of London que não fazia parte da equipe de pesquisadores, disse que não havia “grandes surpresas” no novo artigo, mas ele fornece uma descrição anatômica mais completa da espécie. Enquanto antes era “conhecido apenas pelo crânio”, disse ele, “agora temos o animal inteiro”.

“É um fóssil incrível”, acrescentou. “Este grupo é conhecido por seu logotipo gigante. Este é grande e ridículo mesmo para esses padrões, o que é muito legal.”

READ  NASA fala sobre a possibilidade de um asteróide Bennu colidir com a Terra

Para o Hon, a parte mais importante da pesquisa é que isso já aconteceu. “O contrabando de fósseis do Brasil é um grande problema para a ciência”, disse.

Como exemplo do que foi negado pela colonização científica do Brasil, Beccari apontou lugares nos Estados Unidos, como Wyoming ou Utah, cujos “famosos fósseis de dinossauros trazem milhares de turistas todos os anos”.

“Agora que temos modelos 3D e outras tecnologias para estudar esse animal, não há motivo para ele deixar nosso país”, disse Beccari. Ficar no país atrai turismo e mais gente entra em contato com seu patrimônio. Isso também é útil para a ciência. “

Hon observou que estrelas de cinema e outras pessoas ricas pagam grandes quantias para exibir fósseis em suas paredes. Vários anos atrás, o ator Nicolas Cage devolveu o crânio de um tiranossauro Baatar à Mongólia depois de ser contatado pelo Departamento de Segurança Interna.

“Este é um espécime que deveria ser contrabandeado ou vendido ilegalmente e agora está em um museu e disponível para pesquisas”, disse Hon sobre o pterossauro.

© 2021 The New York Times Company

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *