Joe Biden e Xi Jinping frente a frente: uma ruptura tática nas tensões entre as grandes potências?

Joe Biden e Xi Jinping frente a frente: uma ruptura tática nas tensões entre as grandes potências?

As esperanças são maiores desta vez. A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse recentemente que o encontro presencial entre os presidentes dos EUA e da China, Joe Biden e Xi Jinping, na próxima quarta-feira, em São Francisco, será de particular importância.

Nesta data do ano passado – 14 de Novembro de 2022, para ser mais preciso – os observadores concordaram que não esperavam nada de importante da primeira reunião entre Xi e Biden na cimeira do G20 em Bali, na Indonésia. Mas depois disso, o encontro foi considerado um importante avanço, que permitiu a reabertura do canal de comunicação e a calma da concorrência comercial entre as duas superpotências. Isto acontece mesmo que a disputa sobre Taiwan seja abordada publicamente.

Mas o incidente da derrubada de um balão espião chinês sobre os Estados Unidos, em Fevereiro passado, enfraqueceu o progresso alcançado e o nível de tensão aumentou.

Por outro lado, desde o verão passado, a Casa Branca manifestou a sua intenção de tentar uma nova aproximação. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou Pequim, uma visita que foi seguida por várias outras visitas de funcionários do governo dos EUA.

Depois de puxar as orelhas, pelo menos publicamente, o presidente chinês Xi Jinping quer agora também romper as tensões com os Estados Unidos.

Reveses na economia chinesa

Podemos perceber claramente que Xi Jinping solicitou um intercâmbio privado em Sunnylands (propriedade histórica dos Estados Unidos onde foi fotografado caminhando com Barack Obama em 2013), para passear com o presidente Biden em um espaço verde para mostrar uma certa proximidade, um desejo participar na gestão da competição. Estratégia para evitar que ela saia do controlediz Mathieu Duchatel, diretor de estudos internacionais do Instituto Montaigne.

Esta é a primeira vez que vemos uma tendência tão clara na política externa de Xi Jinping, e dá a impressão de uma tentativa de pausa táctica.

Então, por que esta abertura do homem forte chinês neste momento?

Os reveses sem precedentes sofridos pela economia chinesa têm muito a ver com isto, segundo muitos especialistas.

Acredito que ambos os lados querem agora relações mais amigáveis, especialmente a Chinadiz Shih-Ping Fan, professor do Departamento de Estudos do Leste Asiático da Universidade Nacional de Taiwan.

A economia chinesa enfrenta atualmente dificuldades. A China espera que, ao melhorar as suas relações com os Estados Unidos, possa atrair mais investimentos americanos.

É claro que muitas pessoas nos Estados Unidos também querem mudar a sua relação com a China por causa da nova lei anti-espionagem da China.

A concorrência comercial entre a China e os Estados Unidos também agravaria os problemas da economia chinesa.

Podemos acreditar que existe uma ligação entre o abrandamento da economia chinesa e o facto de a política americana de incentivo à diversificação, cujos resultados foram grandemente amplificados pelas próprias políticas da ChinaAdiciona Mathieu Duchatel.

O Sr. Duchatel salienta que temos agora movimentos de investimento que não favorecem de forma alguma a China. Para mim, que olho para a China desde 1997, esta é a primeira vez que vemos fluxos de investimento negativos. No último semestre, vimos esse movimento de algumas grandes empresas para diversificar seus investimentos que realmente começa a tomar forma.

Questão de Taiwan

O futuro de Taiwan continua a ser uma das principais fontes de tensão entre a China e os Estados Unidos.

O Partido Comunista Chinês nunca governou a ilha soberana e democrática, mas considera-a o seu território. Entretanto, apesar de uma posição oficial de ambiguidade estratégica, os Estados Unidos vendem armas a Taiwan para se defender contra uma potencial invasão.

READ  Gaza: O presidente iraniano apela aos “países islâmicos” para “coordenarem” contra Israel

As eleições presidenciais estão programadas para janeiro próximo em Taiwan. Pequim teme a eleição do atual vice-presidente William Lai, do Partido Democrático Progressista, que manifestou posições pró-independência.

Este pode ser um bom momento para Xi Jinping levantar a questão com Washington, especialmente porque 2024 também será um ano eleitoral nos Estados Unidos, ameaçando aumentar as tensões entre os dois países, segundo David Rank, ex-encarregado de negócios na Embaixada dos EUA. Embaixada dos EUA em Pequim durante o governo Obama e chefe da prática na China em uma empresa de consultoria empresarial Grupo Cohen.

Podemos assumir que a China também procura participar na gestão de Taiwan com os americanos, para usar o poder americano para procurar impedir que o candidato do Partido Democrático Progressista prossiga uma agenda pró-independência.pensa Mathieu Duchatel.

Temos de aceitar o facto de a China poder, em ligação com a liderança do PDP, estar preocupada com a sua agenda pró-independência, o que nos parece absolutamente impossível porque podemos ver claramente o conjunto de constrangimentos, penso eu. Mas a percepção chinesa desta agenda é sem dúvida real.

Uma foto de Joe Biden em frente às bandeiras dos EUA.

Mostrar demasiada abertura em relação a Pequim pode prejudicar as hipóteses de reeleição do presidente dos EUA, Joe Biden. (foto de arquivo)

Fotografia: Reuters/Jonathan Ernst

Então, o que esperar deste encontro entre Xi Jinping e Joe Biden?

Max Baucus, ex-embaixador dos EUA em Pequim, diz que nenhum dos lados quer ver a relação deteriorar-se.

No entanto, várias considerações diminuem as esperanças.

Nos Estados Unidos, as preocupações e a oposição à China ultrapassam as linhas partidárias. Portanto, se Biden for demasiado indulgente com a China, isso poderá prejudicar as suas hipóteses de reeleição.

Portanto, muitos analistas esperam que as reuniões bilaterais terminem com declarações optimistas e uma atmosfera um pouco menos tensa, mas com poucos resultados tangíveis ou grandes avanços nos principais pontos de tensão.

READ  Sanções contra a mídia pró-Putin | Revista Montreal

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *