No G7, ninguém verá laranja!

Não haverá deslizamento descontrolado durante a reunião do G7.


Sem intimidação, sem insultos, sem drama.

Ninguém verá laranja e ninguém verá vermelho também; Além disso, um permite explicar o outro.

Não haverá até o fim do fishtail, como quando Donald Trump retirou seu apoio ao recente comunicado de imprensa pós-G7 em Charlevoix e disparou seus cães contra Justin Trudeau.

Resumindo, você pode ficar entediado. Mas isso é bom!

Este é o início do retorno à normalidade com que os aliados americanos – especialmente o Canadá – sempre sonharam.

Um previsível presidente americano colocou o pluralismo no centro de suas prioridades.

Um chefe de estado acredita que as alianças são como engrenagens preciosas: elas devem ser cuidadosamente mantidas para garantir que funcionem corretamente.

Parece que estamos aparecendo na capa do filme que vimos quando Barack Obama pagou por George W. Bush em todo o mundo.

A propósito, este velho Joe explica: ele quer unir as democracias do mundo ao redor da América.

E as democracias do mundo não pedem nada melhor.

Tal discurso após a reclamação de Donald Trump é como receber um caminhão-pipa depois de passar quatro anos no deserto.

***

O entusiasmo é evidente.

Isso pode ser comprovado.

Uma pesquisa conduzida pelo instituto de pesquisa americano Pew mostrou que nos 16 países pesquisados, pelo menos 75% dos pesquisados ​​acreditavam que Joe Biden faria as “escolhas certas nos assuntos mundiais”.

Quando a mesma pergunta foi feita sobre Donald Trump, no ano passado, o resultado foi desastroso: 17% foi mísero.

No entanto, as pontes que Donald Trump pulverizou com gasolina antes de serem queimadas e depois transformadas em escombros não serão reconstruídas da noite para o dia. Nem mesmo oito – a duração da viagem de Joe Biden à Europa.

READ  Estudiosos cristãos dizem que a graça de Deus permite o progresso e a alegria

Como prova disso, há dois outros números retirados desta pesquisa: Duas em cada três pessoas (67%) ainda acreditam que os Estados Unidos priorizam seus interesses sobre os interesses de seus aliados na política externa e 57% acreditam que a relação entre Washington e seus aliados. Não mudaria mesmo se Joe Biden fosse presidente.

No entanto, essas pontes terão que ser reconstruídas.

E esperançosamente rapidamente.

É o destino das democracias cuja estrela não parou de desaparecer dez anos atrás.

Deve provar sua importância. E se há algo que seus líderes farão bem em levar em consideração durante esta cúpula e aqueles que o seguirão (a OTAN, por exemplo) é isso.

***

Joe Biden chega ao Reino Unido com uma lista resumida pela Casa Branca em três palavras C: clima, COVID-19 e China.

E para cada uma dessas questões centrais, as democracias desempenham um papel importante.

Assumindo a liderança – realmente – na questão do clima, por exemplo. Sob Donald Trump, a China estava praticamente em processo de se posicionar como porta-estandarte dessa questão no cenário internacional.

Teria sido muito melhor se Pequim tivesse mostrado maior seriedade no combate às mudanças climáticas, mas as nações ricas (e maiores emissores de gases de efeito estufa) do G7 devem dar o exemplo.

Para COVID-19, é o mesmo. É hora de as grandes democracias acabarem com o nacionalismo vacinal e darem uma maior contribuição para a distribuição de vacinas nos países menos ricos. Além disso, o Canadá está se preparando para anunciar suas intenções nessa área, e isso é muito melhor.

Um país como a China há muito faz da diplomacia de vacinas uma prioridade de política externa.

READ  Festival de Cinema de Veneza anuncia protocolo de saúde 'menos complicado' do que em Cannes

Finalmente, vamos falar sobre a China. E da Rússia, onde Joe Biden se encontrará com Vladimir Putin na quarta-feira.

Ambos os países ganharam destaque com Donald Trump. Outros países governados por governantes autocráticos, como Brasil e Arábia Saudita, falaram sem restrições.

Não acabaremos com a recessão democrata (que começou muito antes da eleição de Donald Trump) da noite para o dia.

Mas é claro que o ritmo da partida acaba de mudar.

O meio-campista mais talentoso do time do Democracies não vai mais insistir em contar indefinidamente até o gol.

Não cheira a ferida. Longe disso. Mas cheira menos mal.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *