Covid-19: África do Sul detecta uma espécie preocupante

Covid-19: África do Sul detecta uma espécie preocupante

Enquanto a Covid-19 continua a ceifar vidas em todo o mundo, e a variante às vezes luta para controlá-la, os cientistas estão monitorando uma nova espécie na África do Sul. Acredita-se que ele tenha uma taxa de mutação incomum, cuja frequência aumentou gradualmente nos últimos meses, disse o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas da África do Sul (NICD) na segunda-feira. A variante, conhecida como C.1.2, foi relatada na semana passada pela plataforma de Pesquisa, Inovação e Sequenciamento (Krisp) de Kwazulu Natal (Krisp) em um estudo não publicado.

Por sua vez, a Organização Mundial de Saúde (OMS) é uma previsão “confiável” que espera um adicional de 236 mil mortes por Covid-19 na Europa até 1º de dezembro, segundo seu diretor regional, que expressou preocupação com a “estagnação” da vacinação taxa na Europa. o continente. “Na semana passada, o número de mortos na região aumentou 11%, com uma previsão confiável de 236 mil mortes na Europa até 1º de dezembro, o que se somaria aos 1,3 milhão de mortes já causadas pela pandemia no velho continente, segundo o diretor da Organização Mundial da Saúde na Europa, Hans Kluge.

>> LEIA TAMBÉM – UE mais uma vez restringe viagens não essenciais dos EUA

Restrições dos EUA na Europa

A União Europeia decidiu reimpor as restrições às viagens não essenciais ao seu território de cinco países, incluindo Estados Unidos e Israel, na luta contra a pandemia COVID-19, de acordo com uma recomendação publicada nesta segunda-feira. O Congo, por sua vez, recebeu sua primeira entrega de vacinas pelo mecanismo Covax, com mais de 300.000 doses doadas pelos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, a França enviará 10 milhões de doses das vacinas AstraZeneca e Pfizer para a África por meio da União Africana, anunciou o Elysee na segunda-feira.

READ  Visite “Joinvilense” para Grand-Jardin

Na França, a introdução da autorização de saúde deu um novo passo na segunda-feira, 30 de agosto, tornando-a obrigatória no trabalho para 1,8 milhão de funcionários em contato com o público em restaurantes, cinemas, museus e grandes trens, onde já era exigida para clientes . Paralelamente, o ministro da Economia, Bruno Le Maire, avaliou que a introdução do cartão de saúde em locais abertos ao público no início de agosto “não teve impacto na atividade económica do país”.

>> Leia também – Covid: Os testes custarão à França 6 bilhões de euros em 2021

4,5 milhões de mortes devido à Covid-19

A pandemia COVID-19 matou pelo menos 4,5 milhões de pessoas em todo o mundo desde o final de dezembro de 2019, de acordo com um relatório de fontes oficiais. Com uma média de 1.290 mortes diárias nos últimos sete dias, os Estados Unidos voltaram a ser o país com o maior número de novas mortes no mundo. Os Estados Unidos também são o país mais atingido no mundo desde o início da pandemia, com 637.539 mortes, à frente do Brasil (579.574), Índia (438.210), México (258.165) e Peru (198.167). E a Organização Mundial da Saúde estima, levando em consideração o aumento de mortes direta e indiretamente relacionadas à Covid-19, que o número de epidemias pode ser duas a três vezes maior do que o calculado a partir dos números oficiais.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *