Crise institucional do Brasil explicada pelo cientista político Vinicius de Freitas

Crise institucional do Brasil explicada pelo cientista político Vinicius de Freitas

Quinta-feira, 16 de setembro de 2021 às 21h39

Escrito por Khaled Atouta.

BRASÍLIA – Desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência do Brasil em 2018, sua relação com o legislativo e o judiciário não tem sido nada tranquila. Mas, nos últimos meses, a tensão assumiu um aspecto preocupante e se tornou uma fonte de temor para a estabilidade econômica e a democracia de um Estado geopolítico central de sua região.

A crise institucional culminou com a abertura de várias investigações contra o líder de direita, cujos aliados já haviam sido presos. O chefe de Estado, que não vê com bons olhos as sucessivas anulações de condenações e julgamentos contra Lula da Silva, seu rival de esquerda nas eleições presidenciais de 2022.

E Bolsonaro, durante as manifestações de seus partidários, que exigiam a sétima tendência por ocasião do Dia da Independência, exigia a intervenção militar e a dissolução do STF, desobedecendo às decisões dos ministros do STF, alguns dos quais se tornaram ferrenhos inimigos do os juízes da Suprema Corte. O presidente que continua a questionar a credibilidade das próximas eleições.

As palavras do chefe de Estado, sem partido depois de sair do Partido Social-Liberal e sem ter criado outro, suscitaram indignação nas organizações políticas, judiciárias, nacionais e internacionais.

Seus críticos responderam rapidamente cinco dias depois, com manifestações pedindo a demissão de Bolsonaro, como foi o caso da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (Trabalhista, esquerda), que foi deposto em 2016. Ele já havia evitado dezenas de reivindicações por prestação de contas, Todos estão sepultados sob o veto do Presidente da Câmara, Arthur Lyra.

Em uma tentativa de virar a situação a seu favor, Bolsonaro apresentou uma moção para o impeachment de um de seus juízes mais negativos, mas seu projeto de lei no Senado não teve sucesso.

READ  The FAA outlines new rules for drones and their operators

Marcos Vinicius de Freitas, especialista brasileiro em geopolítica e relações internacionais, explica ao MAP que os juízes não são eleitos, mas derivam sua legitimidade daqueles que os nomearam, no caso os senadores. “Por isso a função do juiz é altamente protegida pela Constituição do Brasil. Os juízes não promulgam as leis. Ele afirma que elas criam a ijtihad, forma provisória de compreensão das leis, limitada ao espírito originário estabelecido pelo legislador, o legítimo representante do povo. “

Em meio a essa tensão política e judicial no Brasil, primeira economia da América do Sul e país mais populoso da região (213 milhões de pessoas), a esfera política, a sociedade civil e a mídia continuam expressando temores do que poderia acontecer se a esquerda vence em 2022.

“Já passamos por essa situação nos Estados Unidos, mas aí todo mundo finalmente entende que o rodízio é a regra do jogo. No Brasil, vemos resistência nesse quesito. O rodízio é considerado imprudente”, avalia um professor visitante do Chinese Foreign Assuntos Universitários, que vê ameaças de demissão prejudiciais à democracia e ao Brasil.

Na verdade, o Sr. de Freitas insiste na importância crítica de estabilizar um país gravemente afetado pela crise de saúde. Entre as instituições que devem se manter estáveis ​​nas transições, temos aquelas que devem seguir a política de Estado, como a diplomacia, as forças armadas, o banco central e o Supremo Tribunal Federal. Não devemos notar em nenhum desses setores um viés ideológico por parte daqueles que detêm funções de Estado ”.

No caso específico do Supremo Tribunal Federal, “Decidiu-se conceder aos seus membros mandatos mais longos (são nomeados vitalícios com idade máxima de aposentadoria de 75 anos) por períodos superiores aos eleitorais, objetivando-se a permanência após aqueles a a quem foram nomeados e, assim, com a experiência do tempo, para manter a estabilidade necessária para os períodos de transição, uma vez que não estão sob o controle da população ”, observa um membro sênior do Centro de Políticas para o Novo Sul (PCNS ) pense Shukr.

READ  Um salto nos casos de Covid-19 nos Estados Unidos e Canadá, e o aumento na Alemanha!

E alertar que “a pior coisa que pode acontecer é um juiz se tornar uma celebridade e acreditar que é um vigilante. É uma receita para o desastre”.

Na verdade, a construção da democracia é um processo gradual. Seu objetivo – mais do que a liberdade individual – é construir uma sociedade estável que garanta a possibilidade de crescimento individual e desenvolvimento coletivo.

Para o Sr. de Freitas, o representante eleito deve ter o tempo necessário para poder levar a cabo o plano de seu governo. Se o eleitor não entende esse projeto, o instrumento de “denúncia” torna-se lugar-comum e “desintegra o país e o leva a momentos de instabilidade institucional e declínio econômico”.

O Brasil precisa de paz e estabilidade mais do que nunca. A agenda do país é exigente e os problemas são profundos. É hora de todos entenderem seu papel. Os juízes não legislam, os governantes não tornam a vida dos cidadãos miserável e a imprensa deve informar, não doutrinar. Se todos entenderem seu papel, o país seguirá em frente. E o mais importante é que aumentar a renda per capita dos brasileiros é uma meta de todos ”, finaliza o especialista brasileiro.

Embora a contenda política pareça não dar trégua ao Brasil, as declarações do próprio presidente, de seu vice-presidente e dos militares sinalizam uma pacificação crítica de um país com desemprego e inflação em alta, situação em que pode ocorrer um colapso institucional. Só piorando.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *