Quando dizemos que a recessão ficou para trás?

Quando dizemos que a recessão ficou para trás?

Este artigo Postado novamente de França Conversa

O estudo histórico dos ciclos econômicos é um tópico de pesquisa de longa data. Ser capaz de datar ajuda a iluminar a análise econômica em múltiplas dimensões. Em macroeconomia, tal cronologia ou historiografia é particularmente útil para decifrar e prever as flutuações econômicas ao longo do ciclo. É também uma ferramenta essencial para os cientistas de relacionamento no estudo e classificação de indicadores econômicos (adiantados, atrasados, simultâneos) em relação ao ciclo de referência.

No plano internacional, a presença dessa história permite fazer comparações periódicas globais e estudar a sincronização dos ciclos entre os países. O trabalho sobre as relações entre os ciclos econômicos e financeiros reais pode se beneficiar com uma datação que compare os dois tipos de ciclos. Ter uma cronologia de referência dos pontos de inflexão do ciclo econômico parece ser de grande valia no contexto de ferramentas que auxiliem na implementação de políticas econômicas.

Os Estados Unidos foram os primeiros a propor, já em 1978, uma cronologia oficial dos pontos de inflexão no ciclo de negócios por meio da criação do National Bureau of Economic Research (NBER(comitê de namoro)Comissão de namoro do ciclo de negócios), atualmente formado por oito economistas, cuja função é cronometrar os tempos de entrada e saída das recessões americanas.

Essa cronologia de recessões, estabelecida pelo NBER Dating Committee desde 1854, é confiável entre os economistas e serve de referência para muitas análises empíricas. Na Europa, Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR) inspirou-se na experiência americana e em 2003 constituiu um comitê de namoro, atualmente composto por cinco economistas, para propor Linha do tempo dos pontos de inflexão do ciclo de negócios da zona do euro. Outros países gostam Brasil, paraEspanha onde está CanadáEles também formaram comitês de namoro, mas seu público ainda é relativamente limitado ao público em geral.

No que diz respeito à França, o Cursos da Comissão de História da Economia Francesa (CDCEF) estabelecido pela Associação Francesa de Ciências Econômicas (AFSE), Consiste em Nove Economistas Incluindo os autores deste artigo, eles propuseram recentemente uma datação trimestral de referência dos períodos de recessão e expansão da economia francesa. O objetivo é identificar pontos de inflexão no ciclo econômico de negócios (ciclo de negócios ou ciclo clássico) da economia francesa e, assim, criar uma cronologia histórica que será atualizada.

READ  COVID-19: Pfizer-BioNTech está buscando permissão para obter uma terceira dose da vacina

A regra dos “quartos” não é suficiente

A definição de curso aprovada pelo CDCEF corresponde à definição utilizada por NBER para os Estados Unidos e por CEPR para a área do euro como um todo.

Quadro 1. Diagrama do ciclo econômico. autores.

O ciclo é definido como a sucessão de fases de aumento do nível de atividade, ou seja, crescimento econômico positivo (expansões), e fases de declínio do mesmo nível, ou seja, crescimento negativo (estagnação). Esses diferentes períodos são definidos por picos (o nível mais alto de atividade) e vales (o nível mais baixo de atividade), correspondendo aos pontos de inflexão do ciclo (ver Gráfico 1).

Determinar as fases de um ciclo de negócios não é uma tarefa fácil, e o principal motivo é que os ciclos são inerentemente inobserváveis. Portanto, deve ser estimado usando diferentes Currículo Estatístico e Econométrico.

Uma simples caracterização das recessões, frequentemente utilizada pela imprensa e pelo público em geral, é definir recessão uma vez que a taxa de crescimento do PIB apresentou queda por dois trimestres consecutivos. No entanto, a chamada regra dos “quatro quartos” não é suficiente para descrever totalmente uma recessão.

Em primeiro lugar, na cronologia existente em outros países, acontece que esta regra não coincide com datas oficiais. Por exemplo, a recessão americana de 2001, associada ao estouro da bolha da Internet, hoje não será determinada pela “regra dos dois quartos”.

Além disso, embora essa orientação possa ser útil para marcar o início das recessões, ela não define seu fim. Em geral, ele se concentra em apenas uma característica do início da estagnação e negligencia outras características importantes dos ciclos.

base “pai”

Em particular, para NBERA estagnação econômica é caracterizada por:

A redução significativa da atividade econômica em vários ramos durou mais do que alguns meses. Este declínio significativo no PIB, emprego, produção industrial e vendas dos setores industrial e comercial deve mostrar. “

Existem três características básicas aqui: duração, amplitude e propagação na economia; Esta é a chamada regra “DAD” (Duração, Amplitude e Difusão). A duração indica que a recessão deve durar vários meses. Geralmente, leva-se um período de pelo menos seis meses, daí a ‘regra dos dois quartos’. Mas esse requisito deve estar relacionado com os outros dois, a saber, amplitude e difusão na economia.

READ  Contra a alternativa brasileira, teste de antígeno obrigatório para viajantes da Guiana

“Capacidade” refere-se ao fato de que um período de dois trimestres com uma taxa de crescimento do PIB ligeiramente negativa não seria necessariamente considerado uma recessão. Por outro lado, um evento que pode durar apenas três meses, mas é de grande escala e tem consequências macroeconômicas significativas, pode ser considerado uma recessão.

O critério de difusão refere-se à ideia de que uma recessão deve se espalhar amplamente entre os diversos componentes da economia. Por isso, a análise do PIB por si só não é suficiente para avaliar a ocorrência de recessões. Outras variáveis ​​como emprego, produção industrial ou renda familiar devem ser incluídas no processo de análise. Em suma, é uma combinação de critérios da “regra DAD” que permite à CDCEF estimar as datas das fases recessivas.

Cinco recessões desde 1970

Mais precisamente, a metodologia adotada pelo Centro é baseada em dois pilares. O primeiro, quantitativo, consiste em medir o ciclo econômico por meio de vários métodos econométricos, dos quais se obtém uma lista de possíveis datas de estagnação da economia francesa.

Já o segundo pilar qualitativo, baseia-se em uma abordagem narrativa a partir de opiniões. experts Formação do CDCEF (Economistas, Relacionalistas, Economistas, Historiadores). O chamado filtro de “opinião de especialistas” é essencial neste tipo de exercício porque, embora os métodos quantitativos sejam uma ajuda valiosa para a tomada de decisão que será Multar Tomados pela comissão, no entanto, seus resultados não podem ser levados em consideração diretamente sem uma análise econômica qualitativa.

Assim, a abordagem narrativa permite averiguar, no que diz respeito à situação económica prevalecente durante os episódios considerados, os períodos identificados como possíveis recessões por análises econométricas anteriores, sem necessariamente procurar modificar as datas dos altos e baixos.

READ  turismo. Vales-presente e imunização ... Como alguns países atraem turistas
Tabela 1. Datas de recessão na economia francesa. Nota: a data de pico corresponde ao final do trimestre do período de expansão (ou seja, a recessão começa em t + 1). A história t da pelve corresponde ao final do período de estagnação (ou seja, a dilatação começa em t + 1). * Por convenção, as datas da última recessão são temporárias.

Após a aplicação desta metodologia, quatro episódios foram identificados como recessões na França desde 1970: os choques do petróleo de 1974-1975 e 1980, o ciclo de investimento de 1992-1993, a Grande Recessão de 2008-2009 causada pela crise financeira e o choque de saúde associado ao Pandemia de COVID-19. As datas dos pontos de inflexão do ciclo que caracterizam essas recessões estão resumidas na Tabela 1 correspondente.

Se o pico da recessão associada à recente pandemia Covid-19 for datado pelo CDCEF no último trimestre de 2019, ainda é muito cedo para anunciar a data de saída desta recessão, que é sem precedentes em sua forma e perfil. . As atualizações futuras do CDCEF permitirão responder a essa pergunta em um futuro próximo.

Os membros do French Economics Dating Committee são: Laurent Ferrara, presidente, professor de Economia Internacional na SKEMA Business School e membro do Comitê Diretor da AFSE; Antonin Aviat, Economista e Diretor Adjunto de Diagnóstico e Previsão da Direção-Geral do Tesouro; Frédérique Bec, Professora em CY Cergy Paris, Pesquisadora Associada em Thema e CREST-ENSAE, Membro do Conselho Superior de Finanças Públicas; Claude Debolt, Diretor de Pesquisa do CNRS na BETA, ex-presidente do AFSE; Catherine Dawes, professora da Universidade de Paris 1 Pantheon-Sorbonne e da Escola de Economia de Paris; Denis Ferrand, Diretor Executivo da Rexecode, Vice-presidente da Société d’économie politique: Eric Heer, Diretor do Departamento de Análise e Previsão do OFCE, Membro do Conselho Supremo de Finanças Públicas; Valerie Minion, Professora da Universidade de Paris Nanterre, Pesquisadora do EconomiX-CNRS, Assessora Científica do CEPII, Presidente da AFSE, Membro do Cercle des Economics; e Pierre-Alain Pioneer, economista da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.Conversação

Valerie Minion, Professora de Economia, Pesquisadora do EconomiX-CNRS, Consultora Científica do CEPII, Universidade de Paris Nanterre – Université Paris Lumiere e Laurent Ferrara, Professor de Economia Internacional, SKEMA Business School

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *